Após nova visita ao Hospital da Vida, realizada na noite de domingo (18), a Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul constatou que essa unidade hospitalar só tem condições parciais de funcionamento. Isso porque foram apurados problemas como aparelhos de ar condicionado sem funcionamento, banheiros de enfermarias com mofo, profissionais de enfermagem trabalhando sem receber hora extra, denúncia de funcionário fantasma, falta de insumos, e excesso de nomeados em cargos de diretoria que podem ser causa do desequilíbrio financeiro.

Assinado pela defensora pública Mariza Fatima Gonçalves, o relatório obtido pelo Dourados News é fruto de vistoria motivada por denúncias de parentes de uma paciente falecida na sexta-feira (16). Eles acusaram ausência de exames laboratoriais por falta de pagamento da Funsaud (Fundação dos Serviços de Saúde de Dourados) aos laboratórios contratados.

É detalhado que após a vistoria em um dos quartos da enfermaria cirúrgica, “constatou-se também que o banheiro do quarto estava em precárias condições, com muito mofo e odores fortes”, situação que fez a presidente da Comissão de Saúde da 4ª Subseção da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) “ausentar-se do local por estar passando mal durante as visitas, necessitando de repouso”.

Em continuidade à visita, acompanhada de um assessor jurídico, a defensora pública estadual concluiu que “o déficit de médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem representa risco aos pacientes, vez que acarreta sobrecarga de trabalho, levando a aumento dos riscos de negligência, imperícia e imprudência, improvisação na assistência prestada ao paciente estresse físico e psicológico gerado pelo desgaste emocional em trabalhar sob pressão”.

Funcionários que pediram para não se identificar por temor de represálias relataram saber da existência de “funcionários fantasmas”, conforme o relatório. “Pois trabalham só uma semana e o restante do mês não vão trabalhar, constando apenas em folha de pagamento, mas não prestando o trabalho efetivamente”, detalha o documento.

Uma enfermeira cujo nome foi mencionado na denúncia chegou a ser chamada pela defensora pública, mas não se apresentou no momento.

“Também verificamos enfermeiras que haviam sido chamadas para cobrirem faltas ou buracos na escala, trabalhando, presumidamente, no esquema de hora extra, qual foram informadas, pela gestora da intervenção, que não iriam receber. Denota-se revolta das enfermeiras que estavam trabalhando sob a afirmação que não receberão horas extras, para cobrir furos nas escalas de plantão, enquanto alegam que outros funcionários praticamente não trabalham e recebem”, pontuou.

Outros relatos obtidos durante a visita apontam “que há muitas pessoas nomeadas em cargos em comissão no departamento pessoal (Recursos Humanos) e setor administrativo do HV, bem como adicionais de coordenação e diretoria, o que segundo eles, pode ser um dos fatores de desequilíbrio financeiro do hospital como um todo”.

Diante dessas constatações, 2ª Defensoria do Consumidor de Dourados afirmou que a instituição atualmente, “possui condições parciais de funcionamento, além de higiene comprometida, falta de insumos e medicamentos básicos, e condições físicas inadequadas do local em função da reforma iniciada e paralisada”.

“Ainda, é imprescindível tomada de providências urgentes para a adequação no número de médicos e profissionais de enfermagem a fim de garantir qualidade e segurança durante a prestação da assistência, havendo ainda a necessidade de articularmos visitas e inspeção de retorno para averiguação das providências adotadas pela instituição, seja por parte da  interventora/gestora, como pela diretoria/coordenação dos serviços médicos e de enfermagem, de modo a garantir assistência segura e livre de situações que possam incorrer em imperícia, negligência ou imprudência que comprometam a saúde e a vida dos pacientes”, ponderou.

Procurada pelo Dourados News para comentar, a secretária municipal de Saúde, Berenice de Oliveira Machado Souza, interventora da Funsaud, informou que iria se manifestar após ter acesso ao relatório.