O motorista do caminhão envolvido em acidente na MS-395, entre Bataguassu e Brasilândia, foi indiciado pelo crime de homicídio culposo, quando não há intensão de matar, pela Polícia Civil. A perícia constatou que o veículo tinha iluminação de segurança precária na parte de trás e que as faixas refletivas não estavam funcionando corretamente.

Segundo inspeção feita no local, o caminhoneiro carregava ração animal quando saiu de uma propriedade rural e entrou na rodovia. Ele chegou a trafegar cerca de 160 metros até ser atingido na parte de trás por uma van da Secretaria Municipal de Saúde de Bataguassu que transportava pacientes e acompanhantes. Com o impacto da batida, o veículo de passeio capotou e pegou fogo, matando quatro mulheres carbonizadas.

Ainda não se sabe se a sinalização traseira do caminhão não estava funcionando pela ausência dos adesivos refletivos ou por causa de sujeira. A Polícia Civil deve ouvir testemunhas e o inquérito deve ser concluído em 30 dias.

O caso

Conforme noticiado pela Rádio Caçula, a Polícia Civil recebeu uma ligação de funcionários de uma propriedade rural informando que um homem teria pedido abrigo, pois havia se envolvido em acidente de trânsito grave e outros motoristas o ameaçavam de linchamento. Por determinação do delegado, o condutor do caminhão foi encaminhado até a Unidade Policial de Brasilândia, onde prestou esclarecimentos.

A van da Prefeitura transportava 2 pacientes que faziam tratamento médico em Três Lagoas e 2 acompanhantes. Após o choque, somente o motorista conseguiu escapar das ferragens e todas as ocupantes morreram no local.

O Corpo de Bombeiros fez o desencarceramento dos corpos, que foram encaminhados ao IMOL (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) de Três Lagoas e deverão ser identificados por exames de DNA.