A proliferação do Aedes aegypti levou Dourados não só a chegar em nível de alta incidência da dengue, com 801 notificações, mas também ao alerta sobre a febre do Chikungunya, causada pelo mesmo mosquito transmissor.

Até o momento, o maior município do interior sul-mato-grossense registrou 33 notificações da doença, conforme boletim epidemiológico divulgado pela SES (Secretaria de Estado de Saúde) na quarta-feira (3/4). Desse total, sete já foram confirmados.

A cidade só perde em números para Campo Grande, com 74 notificações. Logo abaixo de Dourados aparece Amambai com 26 e Corumbá, 13.

No ano passado, o município liderou o ranking da doença no Estado, com 89 casos positivos.

De acordo com o relato da Secretaria, até o final de março, 39 pessoas haviam contraído a Chikungunya em Mato Grosso do Sul. Já as notificações chegavam a 242.

SINTOMAS

Os sintomas da febre do Chikungunya são praticamente os mesmos da dengue. Individuo apresenta febre inicial maior que 38,5°C e dor intensa nas articulações, acompanhada ou não de edemas (inchaço).

A doença causa dores nas articulações que podem durar anos.

Entre as recomendações, conforme a SES, estão, manter-se em repouso, tomar muito líquido e sempre ao perceber os sintomas, procurar imediatamente um posto de saúde.