Ao chegar a Osaka, no Japão, para participar do G20, o presidente Jair Bolsonaro criticou nesta quinta-feira (27) declaração da chanceler da Alemanha, Angela Merkel, de que é “dramática” a situação do Brasil em questões ambientais e de direitos humanos sob o atual governo.

Ao ser questionado por jornalistas sobre o que achou da fala de Merkel, Bolsonaro disse que a Alemanha tem “muito a aprender” com o Brasil sobre meio-ambiente.

O presidente ainda disse que o Brasil precisa ser respeitado e que o governo brasileiro não está no G20 para “ser advertido”.

“Nós temos exemplo a dar à Alemanha sobre meio-ambiente. A indústria deles continua sendo fóssil, vem parte do carvão. E a nossa não. Eles têm muito a aprender conosco”, disse.

A fala de Merkel sobre o Brasil ocorreu na quarta (26), durante sessão do Parlamento, em Berlim.

Ela havia sido questionada pela deputada do Partido Verde Anja Hajduk sobre se o governo alemão deveria continuar investindo nas negociações por um acordo comercial entre União Europeia e Mercosul num momento em que ambientalistas e defensores dos direitos humanos denunciam a deterioração de direitos relacionados a essas questões no Brasil.

“Eu, assim como você, vejo com grande preocupação a questão da atuação do novo presidente brasileiro. E a oportunidade será utilizada, durante a cúpula do G20, para falar diretamente sobre o tema, porque eu vejo como dramático o que está acontecendo no Brasil”, respondeu Merkel.

A chanceler, no entanto, disse que é contra impedir que o acordo com o Mercosul seja firmado por causa da posição brasileira em relação ao meio-ambiente.

“Eu não acho que não levar adiante um acordo com o Mercosul vá fazer com que um hectare a menos de floresta seja derrubado no Brasil. Pelo contrário”, ressaltou no Merkel.

“Eu vou fazer o que for possível, dentro das minhas forças, para que o que acontece no Brasil não aconteça mais, sem superestimar as possibilidades que tenho. Mas não buscar o acordo de livre-comércio, certamente, não é a resposta para essa questão”, completou a chanceler.

Irritação

Visivelmente irritado durante e entrevista coletiva com jornalistas em Osaka, Bolsonaro disse que o atual governo não “aceitará” tratamento que, segundo ele, presidentes anteriores receberam de líderes de países desenvolvidos.

“O governo do Brasil que está aqui não é como os anteriores que vieram aqui para serem advertidos por outros países. A situação é de respeito com o Brasil”, disse.

“Não aceitaremos tratamento como alguns chefes de Estado anteriores receberam antes.”

Perguntado se encarou como desrespeitosa a fala de Merkel, Bolsonaro aproveitou para por em dúvida a credibilidade da imprensa em geral.

“Eu vi o que está escrito. Lamentavelmente grande parte do que a imprensa escreve não é aquilo”, disse.

“Foi a imprensa alemã que escreveu”, rebateu um jornalista.

“A gente tem que fazer a filtragem para não se deixar contaminar por parte da mídia escrita principalmente”, continuou o presidente.

Desgaste para Brasil

A política ambiental do governo Bolsonaro deve gerar ser o ponto de maior desgaste ao Brasil durante o G20 deste ano.

Em entrevista à BBC News Brasil, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse que o governo insistirá na mensagem de que é preciso explorar as possibilidades econômicas da Amazônica, diversificando as atividades dentro e no entorno da floresta.

Ele ainda disse que o governo brasileiro vai exigir que países ricos paguem compensações a produtores rurais brasileiros se quiserem que o Brasil conserve mais a floresta.

Mas a imagem negativa do Brasil na política ambiental já provoca problemas para o governo até em negociações comerciais. O governo francês tem sido um dos mais duros nas tratativas sobre o acordo de comércio entre Mercosul e União Europeia justamente usando como argumento o fato de que o Brasil não parece comprometido com o Acordo de Paris – acordo pelo qual nações se comprometeram a cumprir metas de redução de gases poluentes.

A floresta Amazônica é essencial para o controle das mudanças climáticas já que ela absorve e transforma, por meio de fotossíntese, parte significativa do CO2 da atmosfera.

O diretor do grupo de estudos do G20 da Universidade de Toronto, John Kirton, também adverte que o Brasil terá que adotar um discurso “mais responsável” em relação ao combate às mudanças climáticas se quiser o apoio da União Europeia para o pleito de integrar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE).

Entrar para esse seleto grupo integrado pelas mais ricas economias mundiais é um dos principais projetos do governo brasileiro. Fazer parte da OCDE funciona como uma espécie de selo de boas práticas comerciais e de desenvolvimento.

Um dos primeiros ganhos da nova relação do Brasil com os Estados Unidos foi conseguir apoio formal dos americanos para entrar na OCDE. Mas o governo brasileiro ainda precisará convencer os outros membros do grupo.

“O Brasil quer entrar na OCDE e praticamente todos os países que integram o grupo, com exceção dos Estados Unidos, acreditam numa solução multilateral liderada pela ONU para controlar as mudanças climáticas”, destacou Kirton em entrevista à BBC News Brasil.

“Se o Brasil quer avançar no seu desejo de fazer parte da OCDE, vai ter que adotar uma posição mais respeitável sobre mudanças climáticas, o que Bolsonaro não tem feito até agora.”

Na sexta (28), Bolsonaro se reúne com o presidente da França, Emmanuel Macron, com quem deve abordar tanto a questão da entrada na OCDE quanto o acordo de comércio que o Mercosul negocia com a União Europeia.

BBC Brasil – Todos os direitos reservados – É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC