Investigações que resultaram na Operação Vila Brasil, desencadeada na manhã desta terça-feira (11/12), apontam para uso de proprietários ‘laranjas’ de empresas visando direcionamento dos processos licitatórios em Vicentina, uma das cidades alvo da ação [a outra é Fátima do Sul].

A medida tem como foco desarticular esquema de corrupção e associação criminosa voltada à pratica dos crimes de peculato, corrupção ativa e passiva, fraude à licitação e lavagem de dinheiro.

De acordo com o MPE (Ministério Público Estadual), a intenção do grupo suspeito era ocultar vínculos de servidores públicos com as companhias vitoriosas.

As investigações tiveram início em 2018 e hoje, policiais do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) e 1ª Promotoria do Patrimônio Público e Social de Fátima do Sul cumpriram nove mandados de busca e apreensão nos dois municípios.

O destino das determinações foram a prefeitura de Vicentina, três empresas que atuavam nesses pregões e residências dos envolvidos.

Conforme já mostrado pelo Dourados News, a casa de Sinderley Bezerra, atual chefe de gabinete da prefeita de Fátima do Sul, Ilda Machado, foi um dos alvos dos mandados.

Apurou-se ainda que uma das empresas envolvidas no esquema atua em desacordo com as normas ambientais.

Ela seria de propriedade de um servidor público municipal.