A Operação Paiol, deflagrada nesta terça-feira (12/6) contra a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital) cumpre 27 mandados de prisão preventiva e 12 de busca e apreensão.

As ações ocorrem em conjunto entre policiais militares do Bope e do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) nas cidades de Campo Grande, Corumbá, Nova Andradina e Águas Lindas de Goiás (GO) e servem para combater a prática dos crimes de organização criminosa, tráfico de drogas, roubo, tráfico de armas e lavagem de dinheiro, praticados por integrantes do grupo.

Um agente penitenciário e uma mulher acabaram presos na Capital. Eles foram encaminhados à delegacia no bairro Piratininga.

De acordo com o MPE (Ministério Público Estadual), as investigações tiveram início em junho de 2017 e o foco era identificar pessoas integrantes do PCC em Mato Grosso do Sul, cujas atividades eram voltadas a cuidar do setor responsável pela aquisição, guarda, comercialização e empréstimo de armas de fogo, utilizadas a realização de diversos crimes.

Durante as investigações, além das prisões, outras sete pessoas foram autuadas em flagrante por tráfico e porte de arma de fogo de uso proibido.

Até o momento, os policiais apreenderam ainda 800 gramas de skunk, 343 munições e cinco armas de fogo, dentre elas uma submetralhadora, marca Hugger – cal. 9mm e um Fuzil SL 15, marca Spike Táctica.

O nome da operação – “Paiol” – refere-se justamente à nomenclatura utilizada pela organização para referir-se ao local/setor onde são armazenados os armamentos do grupo.