O delegado Valdemir Pereira, um dos coordenadores da força-tarefa que investiga o médium João de Deus por abuso sexual, disse nesta quinta-feira, 20, que a Polícia Civil de Goiás tem “provas robustas” para que o líder religioso seja condenado por violência sexual mediante fraude. Segundo Pereira, o médium cometeu “estelionato sexual” e tinha o hábito de oferecer presentes às vítimas para silenciá-las.