O Governo do Estado confirmou o corte de ponto dos servidores que paralisaram trabalho nas escolas estaduais e corte atingirá 53% dos trabalhadores do efetivo, equivalente a 2,5 mil servidores. As informações foram apuradas pelo Jornal Midiamax.

A assessoria de imprensa da SED (Secretaria de Estado de Educação), informou que só haverá posicionamento da repartição nesta quarta-feira (22) através de nota oficial. O Governo havia confirmado que um relatório para avaliar o impacto causado pela greve nas escolas, mas documento ainda não teria ficado pronto.

A reportagem entrou em contato com a secretaria da SED, Maria Cecilia Amendola da Motta, e com o secretário da SAD (Secretaria de Estado de Administração e Desburocratização), Roberto Hashioka, mas ligações não foram atendidas.

A greve dos servidores administrativo continua, mas conforme Fetems (Federação dos Trabalhadores da Educação de Mato Grosso do Sul), seguirá determinação de liminar. 

Paralisação

A categoria realiza greve após sinalização de que não haverá reajuste salarial. Assembleia de servidores administrativos da educação deliberou, no início da tarde desta terça-feira (21), que manterá a paralisação da categoria, mesmo com a determinação judicial de que 2/3 da categoria mantenha-se nas atividades.

Na prática, os serviços executados pelos administrativos, tais como limpeza, manutenção, preparo de alimentação e serviços administrativos, continuarão sendo executado, porém, com redução do efetivo em 1/3.

Pelo menos 600 trabalhadores participaram da assembleia, iniciada às 9h desta terça-feira (21), no auditório da Fetems (Federação dos Trabalhadores da Educação de Mato Grosso do Sul). Muitos dos presentes vieram do interior do Estado – ao menos 50% dos municípios, segundo a Fetems, aderiram à paralisação. Em Campo Grande, até esta manhã, seriam 90% do efetivo.