O presidente Jair Bolsonaro revelou nesta segunda-feira (2), em entrevista exclusiva ao Jornal da Record, que sofreu pressão para demitir o ministro da Economia, Paulo Guedes, após declaração em referência ao AI-5 na terça-feira da semana passada (26). “Quem pede a cabeça do Paulo Guedes quer desestabilizar a economia”.

Na ocasião, Guedes se exaltou ao comentar os discursos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que convocava a população para ir às ruas contra a política econômica do governo. Para o ministro, é “irresponsável chamar alguém pra rua agora pra fazer quebradeira”.

“Se você acredita numa democracia, quem acredita numa democracia espera vencer e ser eleito. Não chama ninguém pra quebrar nada na rua. Ou democracia é só quando o seu lado ganha? Quando o outro lado ganha, com dez meses você já chama todo mundo pra quebrar a rua? Que responsabilidade é essa? Não se assustem então se alguém pedir o AI-5”, afirmou Guedes.

Bolsonaro também disse que não se incomoda com a liberdade de Lula, mas avalia que o petista tem pregado a intolerância no país.

Ao comentar as acusações do ex-presidente de que teve participação na morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, o presidente disse que não vê a fala como um direito de expressão. “Vamos ter que engolir esse sapo. O barco segue porque o Brasil está indo bem”, rebateu.

O presidente também respondeu às declarações do ex-ministro Gustavo Bebianno de que a democracia está em risco. Bolsonaro afirma que não merecia falar sobre Bebianno, não queria lembrar porque ele foi demitido e avalia que o ex-ministro deve estar feliz ao lado do governador de São Paulo, João Doria. Neste domingo (1º), Bebianno assinou a filiação ao PSDB.