Começou a sessão que pode resultar na cassação do vereador Cirilo Ramão (MDB). Ele foi afastado pela Justiça em dezembro, dias após ser preso dentro da Operação Cifra Negra, que investiga suposto esquema de corrupção dentro da Câmara de Vereadores de Dourados.

O parecer da comissão que apura a denúncia de quebra de decoro parlamentar contra ele foi pelo arquivamento do processo.

Para que ocorra a cassação do mandato do emedebista são necessários 13 votos. Suplente de Cirilo, o vereador Marcelo Mourão (PRP) é impedido de se posicionar.

Na terça-feira da semana passada, 7 de maio, Denize Portollan (PR), presa na Operação Pregão, que apura irregularidades em contratos firmados pela prefeitura de Dourados foi cassada com 18 votos.